A forma da água


Mundialmente conhecido por sua adaptação cinematográfica, A Forma da Água ganhou a curiosidade de diversos leitores, após seu lançamento. Daniel Kraus não deixou a desejar em sua narrativa. Aqui temos uma simples faxineira e uma criatura marinha incrível que se apaixonam, mas o amor é capaz de quebrar as barreiras entre as diferenças?

O ENREDO
Quando o Centro de Pesquisa Aeoro-Espacial (OCCAM) recebe uma criatura aquática misteriosa, para ser estudada, Elisa Esposito, juntamente com sua melhor amiga Zelda, são encarregadas da limpeza do centro de pesquisas onde o anfíbio fora instalado.

Com o tempo, Elisa percebe que o animal pode se comunicar, e passa a nutrir um sentimento muito forte por ele, ao perceber que a criatura a vê como ela realmente é, e tenta entendê-la, algo que nunca acontecera, visto que, por ser muda, os homens nunca sentiam qualquer interesse por ela.

Além da barreira natural, entre mulher e criatura, Elisa se vê em meio a um grande problema, quando percebe que o diretor de segurança da OCCAM, Strikland, nutre um sentimento de ódio muito grande pelo anfíbio e usa de todas as suas artimanhas para maltratá-lo e tenta convencer seu chefe, general Hoyt, a matar a criatura para estudar seu corpo morto.

Diante desse grande problema, Elisa busca ajuda em seu amigo e vizinho Giles, para raptar a criatura e conseguir tirá-la das mãos das pessoas gananciosas da OCCAM.

OS PERSONAGENS
Apesar de Elisa parecer a protagonista da história, percebe-se que o autor mediu de forma igual a história dos demais personagens.

Elisa, uma solitária faxineira, que trabalha a muitos anos da empresa OCCAM, sendo uma empregada invisível naquele mundo. Mora sozinha em um apartamento acima de um cinema, ao lado de seu vizinho Giles.

Giles é um artista homossexual reprimido, que mora sozinho com seus gatos, já velho e careca, vive na expectativa de alguma empresa se interessar por seus quadros.

Um personagem que demostra muitos traumas é Strikland, um homem que passou meses na Amazônia em busca da criatura, que ali era chamado de Deus, e mesmo após conseguir capturá-la e levá-la até o centro de pesquisas, não conseguiu se livrar dos traumas que passou durante os meses de luta em uma terra desconhecida. Levou para casa um homem feito de pedra, que mal fora reconhecido por sua esposa Lainie.

Lainie é uma esposa reprimida e que tenta buscar algo melhor para seus filhos, ao começar a trabalhar escondida de seu marido, e sofre certos abusos machistas em seu emprego. Apesar do livro não destacar bem o que ocorre em seu local de trabalho, percebe-se que as atitudes machistas daquela época ainda estão presentes até os dias de hoje.

Temos também Zelda, a melhor amiga de Elisa, que tenta não entrar em confusão, mas não consegue deixar de ser fiel a sua grande amiga, assim como Dr. Hoffsteler, um espião russo disfarçado de cientista que acaba por ajudar a moça muda.

Por fim, e não menos importante, em poucos capítulos há a narrativa da Criatura, os únicos capítulos narrados em primeira pessoa são dele, e são narrados sem ponto, sem vírgula, parece uma confusão, assim como a criatura se sente no mundo humano.



MINHAS IMPRESSÕES
Eu me segurei muito para não ver o filme e ler o livro primeiro, e estou muito orgulhosa por ter feito isso, pois apesar de expressar muito o sentimento de Elisa, o filme deixou a desejar quando comparado ao livro, mas não deixa de ser excelente.

A forma da Água não é um livro feito apenas para ser lido, ele precisa ser compreendido, existem muitas mensagens por trás das palavras do autor, que em certos parágrafos é bem perceptível, e em outros não.

Comprei o livro na promoção do dia da mulher na Saraiva e não me arrependo de minha escolha! Confesso que demorei para lê-lo, em certos momentos a leitura é bem maçante, mas não é o tipo de livro que simplesmente desistimos de ler.

CITAÇÕES FAVORITAS

“Ela vive em um mundo só dela, que ela mesma criou.” (pág. 85)

SOBRE A EDIÇÃO
Capa mole que possui um marcador de páginas. Páginas grandes e amarelas, letras em um tamanho muito bom para leitura. O livro possui poucos desenhos ilustrativos.

DADOS
A Forma da Água, Daniel Kraus, Guilhermo Del Toro - Ano 2018 - 348 páginas - Intrínseca 

ONDE COMPRAR

Escrito por Jess

Comentários

  1. Olá, Jess.
    Quando eu ouvi falar do filme, nem sabia que era baseado em um livro. Por esse motivo, decidi não ver o filme até conseguir ler o livro de fato, o que não aconteceu até hoje. O tema da história me lembrou os livros do Dan Brown, inclusive, o livro que estou lendo atualmente: Ponto de Impacto. Bem, é uma pena que o livro não tenha sido tão maravilhoso quanto falam por aí, mas ainda sim tenho vontade de lê-lo.

    Adorei a resenha e poder saber sua opinião a respeito.
    Beijos,
    Lídia Cantinho da Escrita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

back to top